Now loading... / Carregando...

menu

802-701-9763

support@envor.com

11º Congresso – Biografias e Resumos

Sexta-feira, 9 de julho

PALESTRANTES & RESUMOS

OFICINA I

Intérpretes Indígenas: uma história invisível — Desde a época da colonização até hoje, intérpretes indígenas têm sido a chave que facilita a interação entre nossas populações. São 270 línguas indígenas faladas num país cuja maioria da população é monolíngue, falante de português.

Vamos explorar esta realidade dos pontos de vistas histórico, social e cultural.

Como dizia Milton Nascimento, “O meu Brasil é muito mais que qualquer Zona Sul.

Resumo e programa

Foto de John Milton

Intérpretes indígenas: uma história invisível

John Milton, nascido em Birmingham, Reino Unido, 1956, é Professor Titular da Universidade de São Paulo em Estudos da Tradução. Ajudou a estabelecer o Programa de Pós-Graduação em Estudos de Tradução, e foi Coordenador do Programa de 2012-2016. Seu principal interesse é a teoria, história, sociologia e política da tradução. Ele é autor de livros, artigos, adaptações e tradutor de poemas.

Foto de helena Barbosa

Intérpretes indígenas: uma história invisível

Helena Barbosa,  é tradutora certificada pela National Accreditation Authority for Translators and Interpreters (NAATI, Australia), desde 2009 e atua em diversas áreas, sobretudo direito, imigração, ciências sociais e política. É também advogada indigenista. Mestra em Estudos da Tradução pela Universidade de São Paulo (USP), bacharela em Letras-Tradução pela Universidade de Brasília (UnB) e em Direito pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). Atualmente, desenvolve pesquisas sobre tradução feminista, bem como sobre a história da tradução e da interpretação no Brasil, como foco especialmente em tradutoras, tradutores e intérpretes indígenas e em tradução de artes verbais ameríndias.

OFICINA II

Técnica de Reformulação para simultânea — A Técnica de Reformulação de Conteúdo é uma ferramenta de produtividade para intérpretes de simultânea. Se bem que há aplicações para ela na consecutiva longa.

Mas, como saber o que pode e não pode ser deixado fora do discurso? E onde entra a decalage nessa história? Há algum tipo de termo-sinal que nos ajude a identificar as partículas descartáveis?

Marcelle Castro será sua guia nessa exploração. Boa jornada!

Foto de Marcelle Castro

Truques de Cabine

Marcelle Castro, é bacharel em Tradução, pela Universidade de Brasília, com mestrado em Estudos da Linguagem, pela PUC-Rio e, em Tradução e Estudos Interculturais, pela Universitat Rovira i Virgili, na Espanha. É tradutora e intérprete de conferências desde 2001, com ampla atuação nas mais diversas áreas do conhecimento.A experiência como Curriculum Developer e instrutora no Mestrado em Interpretação de Conferências da Glendon College, no Canadá, que iniciou em 2012, marcou a sua passagem para a formação de intérpretes no mundo virtual.

OFICINA III

Kit básico de ferramentas para o intérprete do novo mundo — Você foi surpreendido, profissionalmente, pelo ano de 2020? Como todos sabemos, a interpretação no contexto da pandemia significou um divisor de águas para a nossa profissão. O objetivo desta oficina é fornecer um kit básico de ferramentas para trabalhar na cabine virtual. A interpretação remota ou RSI, como é comumente chamada, é uma tendência que veio para ficar. Portanto, é importante conhecer o que é RSI e quais são as suas características. Como intérpretes, devemos ser capazes de identificar as vantagens que esta modalidade oferece e ter a habilidade para usá-las a nosso favor. Camaleônicos, agora, os intérpretes se vestem não apenas de linguistas, mas também de técnicos informáticos e técnicos de áudio, fazem às vezes de organizadores de eventos, anfitriões, moderadores, assessores e resolvem possíveis inconvenientes de palestrantes e ouvintes. Portanto, abordaremos os aspectos técnicos da RSI, explicando em detalhe quais são os equipamentos necessários para esta prática e porque são necessários. Além do hardware, falaremos também sobre muitas soluções de software que ajudam a contornar problemas recorrentes no espaço virtual. A oficina apresentará as principais plataformas de interpretação remota e como elas funcionam. Convido vocês a conhecerem em profundidade a cabine virtual. Por último, porém não menos importante, é necessário definir estratégias de comunicação no mundo virtual. Mais do que nunca a comunicação clara entre o intérprete e o cliente, o anfitrião, os palestrantes e a audiência é vital para o sucesso do evento.

Resumo e conteúdo

Retrato de Sthefani Techera

Kit básico de ferramentas para o intérprete do novo mundo

Sthefani Techera, é Tradutora Pública na combinação linguística espanhol<>português, formada na Universidade da República, Uruguai (2015), tradutora para legendagem e dublagem, e Intérprete de Conferências (ES<>PT<>EN), com especial ênfase em interpretação remota (RSI). Ela também é Bacharel em Relações Internacionais, formada pela Universidade da República, Uruguai (2015) e Mestre em Diplomacia e Negócios Internacionais pela Escola de Negócios EBES da Espanha (2017). Entre seus vários projetos, Sthefani oferece palestras e ministra oficinas sobre ferramentas para intérpretes, é produtora do podcast FONSCast, sobre tradução e interpretação, além de co-organizadora do Congresso Uruguaio de Tradução e Interpretação (CUTI), a ser realizado 27 e 28 de agosto.

OFICINA IV

Tradução literária: criação e diversidade — Vamos explorar a realidade dos tradutores literários no espaço iberoamericano: seus direitos, o mercado de trabalho, a penetração de seus trabalhos fora deste espaço, além de amostras de trabalhos contemporâneos, em português e espanhol, e suas traduções. Uma performance liguística e literária encerra o programa.

Logo da Alitral

Em defesa dos tradutores literários | Defendiendo a los traductores literarios | Defending Literary Translators

A Alianza Iberoamericana para la Promoción de la Traducción Literaria atua em vários aspectos da atividade e em vários países, por meio de parceiras estratégicas. Estas parceiras permitem à entidade ter uma visão ampla da situação dos profissionais atuantes neste mercado e celebrar seus sucessos e esforços através de atividades como a Cantera de Traducctores, realização de lives, promoção e realização de oficinas e atividades afins.

Abertura

Conduzida por nossa Mestre de Cerimônias, Adriana Machado, em nome da diretoria, e palavras de boas-vindas da presidente, Giovanna Lester.

Keynote Speaker

Retrato de Renato Beninatto

Keynote de abertura do11º Congresso Internacional da Abrates

Renato Beninatto é chairman e cofundador da Nimdzi. Ele traz consigo décadas de experiência. Seja em consultoria internacional, pesquisa de mercado, vendas e marketing ou tradução, Renato tem uma sensibilidade inata, aguçada, que lhe permite visualizar tendências com a antecipação necessária para usufruir delas com sucesso.

Seu trabalho nas áreas de pesquisa e análise de mercado posiciona Renato como um dos maiores influenciadores no setor, com suas opiniões e insights antecipando o futuro do trabalho em tradução e interpretação.

Assembleia Geral Ordinária

dos associados da Abrates

Sábado, 10 de julho

Retrato de Alison Entrekin

Como vai a tradução de Grande Sertão: Veredas para o inglês?

Alison Entrekin, tradutora premiada, já traduziu diversas obras brasileiras para o inglês, entre elas Budapest (Chico Buarque), The Eternal Son (Cristovão Tezza), e Near to the Wild Heart (Clarice Lispector). Alison foi agraciada com o New South Wales Premier’s Translation Prize (2019) pelo conjunto da obra. Atualmente prepara uma nova tradução para o inglês de Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa, com apoio do Itaú Cultural.


Atualização sobre o projeto de tradução de Grande Sertão: Veredas para o inglês com a discussão de pormenores.

Foto de Rafa Lombardino

Diversificação na tradução: Como oferecer serviços de narração

Rafa Lombardino, nascida em Santos/SP, diploma técnico em Processamento de Dados e com bacharelado em Comunicação Social – Jornalismo. Tradutora desde 1997, credenciada pela ATA nas combinações EN>PT e PT>EN e com certificado Profissional de Tradução em ES>EN pelo curso de extensão da Universidade da Califórnia em San Diego, onde passou a dar aulas de tradução, incluindo “Tools and Technology in Translation” e “Introduction to Subtitling”. Presidente e diretora executiva da Word Awareness, pequena rede de tradutores criada na Califórnia em 2004. Especializa-se em TI, Comunicação, Audiovisual e Literatura.


Vamos aprender a parte técnica e prática da gravação de voz para sondar a possibilidade de oferecer serviços combinados de tradução e narração aos clientes de tradução atuais e futuros. Repassaremos os requisitos básicos e aprendemos um pouco sobre o Audacity, software gratuito recomendado para a gravação e edição de arquivos de áudio.

Sua Majestade, o Intérprete/Su Alteza, el Intérprete

Óscar Curros é tradutor e jornalista, formado pela Universidade de Santiago de Compostela (Espanha), onde reside, mas morou 11 anos no Brasil. Atualmente trabalha para a agência Certified Interpreting Services (CIS), dos Estados Unidos. Óscar fez pós-graduação em Gestão Estratégica da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP). Sou autor da tradução ao espanhol do livro “Sua Majestade, o Intérprete” (em espanhol, “Su Alteza, el Intérprete”), de Ewandro Magalhães.


Foto de EwandroEm um bate-papo descontraído entre autor, revisores e tradutor, exploramos todo o processo de tradução, desde a escolha do tradutor, explicando o trabalho em equipe, discussões de terminologia, soluções de problemas, etc.

Maitén Vargas

Repensar la ética de la traducción en un mundo no binario

Maitén Vargas (ella/ela/she) é tradutora, intérprete e revisora autônoma desde 2011. Ela se especializada em questões de gênero, saúde, direitos sexuais e reprodutivos, desenvolvimento sustentável e outros campos. Trabalha para várias ONGs e organismos internacionais. Maitén é sócia do Colegio de Traductores de la Ciudad de Buenos Aires, Argentina, tendo recebido bolsas de pós-graduação na Argentina, França e Espanha. Ensinou tradução no Instituto Pedro Goyena, em Bahia Blanca, e  foi professora associada de tradução de ciências sociais no Traductorado del Lenguas Vivas J.R. Fernández, Buenos Aires. É membro do grupo Traductoras e Intérpretes Feministas de la Argentina (TEIFEM).

Erika Consenza

Repensar la ética de la traducción en un mundo no binario

Erika Cosenza (ella/ela/she) tem 20 anos de experiência em edição, correção de textos, tradução e interpretação em inglês -espanhol e italiano-espanhol. Há cinco anos trabalha com a combinação português-espanhol e está se preparando para incluir o alemão à combinação. Erika também fez trabalho de lexicografia para uma importante editora argentina e colaborou com o Laboratorio Fundéu-RedACTE. Membro de três associações profissionais (IAPTI, AATI y PLECA) e integrante do grupo  Traductoras e Intérpretes Feministas de la Argentina (TEIFEM) está convencida de que se pode exercer a profissão de outra maneira.


Vivemos em um mundo novo. Não só porque a pandemia global nos obrigou a reinventar-nos, buscar novas formas de nos conectar, trabalhar e estudar. É um novo mundo porque estamos saculejando o cimento sobre o qual são construídos conceitos e preconceitos relacionados a identidade, o gênero e a sexualidade. Os grupos LGTBIQ+ vêm lutando por seus direitos e também estão criando uma conscientização com respeito à relação entre poder, língua e reconhecimento. Este trabalho busca repensar a maneira como as pessoas pensam e falam sobre si mesmas e este novo mundo.

Foto de Ana Ribeiro Olson

Mas esse bebê é feio, e agora? – Relacionamento com clientes

Ana Ribeiro Olson é tradutora e copywriter, com 10 anos de experiência na transcriação de materiais publicitários de inglês e espanhol para português do Brasil. Ela também é professora de Tradução Criativa na i2b, um módulo com foco em tradução para turismo e publicidade, sempre destacando as melhores práticas do mercado. Seu site é anaribeiroolson.com.br.


Os clientes enxergam seus textos como “seus bebês”, mas às vezes o bebê é feio! Nós, tradutores, devemos apontar isso? Como? É hora de abandonar a mentalidade de meros prestadores de serviços e nos posicionarmos como parceiros de nossos clientes. Nesta sessão, vamos discutir a necessidade de analisar nosso trabalho sob uma perspectiva mais holística, listar alguns tipos de problemas comuns, apresentar estratégias para sugerir alterações de uma maneira profissional e avaliar como essa abordagem pode ser benéfica para todos os envolvidos.

Foto de Marisol Mandarino

A realidade dos TPICS no Brasil

Marisol Mandarino é Tradutora Pública e Intérprete Comercial habilitada em inglês e espanhol. Faz parte da ATP Minas e do Conselho Fiscal da Abrates. Cursou Licenciatura em Português-Inglês (UFRJ), Especialização em tradução de inglês (PUC-RJ) e Pós-graduação em tradução e interpretação de espanhol (UGF), com passagem pelas cabines de interpretação inglês-espanhol da Universidad de Salamanca. Desde 2016, estuda a legislação da Apostille e o uso da certificação digital nas traduções juramentadas. Idealizadora do projeto Interpret-Vol.

A realidade dos TPICs no Brasil

Simone Castro é tradutora pública e intérprete comercial de espanhol/português em São Paulo há mais de 20 anos e finalizou sua pós-graduação em Tradução Espanhol/Português pela Universidade Gama Filho em 2010. Desde 2015 é tradutora credenciada pela Abrates e também participa de diversas associações de tradutores, tais como Atpiesp (Associação de Tradutores Públicos e Intérpretes Comerciais do Estado de SP), Aptrad (Associação Profissional de Tradutores e Intérpretes) e Sintra (Sindicato Nacional dos Tradutores e Intérpretes).


Tudo que você sempre quis perguntar a um tradutor público. Prepare as suas perguntas. Traga todas as suas dúvidas relativas a exames, sua frequência, validade, obrigações dos TPICs, quem pode e quem não pode ser TPIC, quais as restrições, quais as vantagens e desvantagens, e qual o efeito das novas propostas de lei?

Foto de Vic Vieira

Traduzindo a diversidade de gênero e sexualidade na literatura jovem

Vic Vieira é escritor e tradutor do inglês. Traduziu obras para as editoras DarkSide, Globo Alt, Nacional e Alta Books. É autor do livro “Metanfetaedro” (2012) e de várias histórias publicadas em antologias de ficção científica e fantasia ao longo da última década. Vic é não-binário transmasculino e seu trabalho mergulha no estranho & assombroso explorando questões transviadas de corpo, gênero, sexualidade e nossa relação com a tecnologia, a linguagem e as ecologias que nos atravessam.


Usando minha experiência pesoal, falarei dos desafios e complexidades na tradução de obras que tratam da diversidade de gêneros e sexualidades dissidentes da cisheteronormatividade. Indo além da discussão dos pronomes de gênero neutro, vamos olhar também para quais dúvidas surgem na tradução de termos que ainda estão em fluxo e em disputa, quais são as dinâmicas de poder que exercem influência nesse tipo de texto e quais os conhecimentos e sensibilidades que são exigidos do tradutor no trabalho com essas obras.

Domingo, 11 de julho

Foto de Florencia Aguillar

El lenguaje no binario y les traductores

Florencia Aguillar é tradutora há mais de 11 anos, especializada em tradução audiovisual, tradução queer e com perspectiva de gênero. Ela também trabalha em marketing e publicidade, dá palestras internacionais sobre tradução e minitra cursos sobre a temática queer.  Feminista e ativista do coletivo LGBT, é uma das 9 criadoras do grupo Traductoras e Intérpretes feministas da Argentina. Florência também é membro fundadora Comisión de Traducción Audiovisual y Accesibilidad de la AATI (Asociación Argentina de Traductores e Intérpretes), e é formada em Géneros, Política y Participación.


A linguagem não binária ou inclusiva, como todos a conhecem, vem marcando presença há alguns anos. Mas será realmente algo recente? Como tradutores, podemos usá-la? Em que circunstâncias? E será realmente inclusiva? Como profissionais da língua, devemos estar cientes de suas variações e conhecer bem as ferramentas que nos permitem responder a estas modificações. Falaremos um pouco sobre a linguagem sexista, a aparição da linguagem binária, seu uso atual, recomendações e sugestões de uso para poder a implementação efetiva desta linguagem nas Tecnologias Audiovisuais.

Foto de Laila Compan

Seis aptidões essenciais para trabalhar com legendagem

Laila Compan, é tradutora audiovisual, especialista em legendagem, graduada em pedagogia pela UFRJ e pós-graduada em tradução de espanhol pela Universidade Estácio de Sá. É palestrante, coach, professora de legendagem, ex-mentora do Programa de Mentoria oferecido pela Abrates e CEO do Tradutor Iniciante.


O mercado de tradução audiovisual está em constante crescimento, principalmente o de legendagem, que além de promover a acessibilidade, tem sido uma grande aliada aos produtores de conteúdo das redes sociais, o que expandiu ainda mais o nosso mercado. Nesta palestra vou explicar quais são as 6 habilidades que o profissional precisa desenvolver para trabalhar com legendagem, apresentar cases com suas dificuldades e como contorná-las com sucesso.

A Confirmar
Foto de Lorena Borges

Boas práticas para se dar bem com o cliente

Lorena Honorato Borges é advogada por formação (desde 2001) e tradutora técnica por paixão há mais de 13 anos. Antes de abraçar de vez a carreira de tradutora, deu aulas de inglês como segunda língua por mais de 10 anos. Hoje, dedica-se integralmente a traduções e revisões no par EN>PTBR em diversas áreas como TI, websites, recursos humanos e marketing. Morou e estudou na Inglaterra por 1 ano e meio, onde pôde se aperfeiçoar e tirar certificados internacionais. De volta ao Brasil, deixou de lado a prática advocatícia e deu asas à sua paixão pela língua inglesa, assumindo seu papel profissional na área de tradução.


Palestra voltada para tradutores iniciantes, intermediários e avançados com dicas de como ser bem-sucedido e contornar possíveis problemas.
Será exposto um possível caminho das pedras de como ser um bom profissional nessa nova economia que chegou para ficar, a GIG Economy. Como não há uma relação de trabalho convencional, registrada e com todos os benefícios de CLT, o profissional tem que tomar algumas medidas para se destacar e manter seu nome no banco de dados do cliente.
Essa tendência que chegou para ficar é o futuro, e precisamos ter boas práticas para sermos lembrados.

Foto de Claudia Mellado

A literatura afro-brasileira feminina na América Latina

Claudia A. Morales Mellado, chilena, é tradutora de inglês-português, tem mestrado em Língua Espanhola e é doutoranda em Tradutologia na Universidad de Valladolid. Intérprete Jurídica Certificada  pelo Poder Judiciário chileno, trabalha como tradutora desde 2006, em diversas empresas no Chile e no exterior.


Um recente trabalho de tradução sobre a literatura feminina/feminista foi a inspiração deste projeto que investiga a presença e impacto das autoras pretas no mercado literário e na América Latina, em especial.

Foto de Paula Abramo

Os aspectos culturais e sociais na tradução

Paula Abramo, formada em Letras Clássicas pela UNAM, é tradutora literária do portugués para o espanhol. Traduziu quase cinquenta livros de autores como Raul Pompeia, Clarice Lispector, Luiz Ruffato, Veronica Stigger, Angélica Freitas e Ana Martins Marques. Recebeu o Premio Bellas Artes de Traducción Literaria Margarita Michelena 2019 e o Premio de Poesia Joaquín Xirau Icaza 2013. Foi tradutora residente no Banff International Literary Translation Centre (Canadá) e na Casa dos Tradutores Looren (Suíça).
Ricardo Souza é tradutor, intérprete, gestor de projetos, editor, post-editor, revisor, consultor cultural, Secretário Geral da Abrates, de cuja Diretoria é membro desde 2016, Secretario do Comitê de Padronização de Normas de Tradução e Interpretação da ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas – Comitê ABNT/CEE-239.


Paula e Ricardo vão falar sobre os pontos e contra-pontos da presença de aspectos culturais e sociais no trabalho do tradutor. Todos sabemos que o trabalho de tradução e interpretação é muito mais que um troca de vocábulos de um idioma para vocábulos do outro, mas como fazemos esse trabalho no dia a dia? Essa e outras perguntas serão respondidas.

Painel da Diretoria

 Um espaço para perguntas de associados, não associados e palestrantes sobre como a Abrates opera, seus planos futuros, sua participação no mercacdo global de tradução e interpretação e mais.

Keynote de encerramento

Keynote de Encerramento

Henry Líu ocupa uma posição privilegiada em nossa profissão: além de intérprete ativo, ele está no Comitê Consultivo de uma das mais importantes entidades de nossa profissão a FIT da qual já foi presidente.  Henry vai compartilhar conosco sua visão de futuro do ponto de vista do profissional num mundo sem fronteiras.

Sábado, 10 de julho

Logo da APIC

A voz da interpretação no Brasil

 

Backchannel Options for RSI

Katty Kauffman é uma renomada e experiente intérprete jurídica e de conferências. Desde a pandemia, ela tem focalizado sua atenção em melhorar as extremas condições de trabalho, tanto para intérpretes quanto para palestrantes que operam via RSI. Ela tem um canal no YouTube (Remote Simul Interpreting) no qual ela analisa as diferentes plataformas e discute as melhores práticas para o trabalho de interpretação remota.


Você e seu concabino estão em uma chamada virtual. Como vocês coordenam o handover? Quais são as ferramentas disponíveis? Quais são as melhores práticas hoje?Nesta sessão você vai aprender os backchannels disponíveis, técnicas de handover, e as melhores práticas para Trabalhar a distância com seu concabino”.

Foto de Javier Castillo

Presidente da Castillo Language Services

Javier Castillo é presidente da Castillo Language Services, Inc., na Carolina do Norte (EUA) e é intérprete, tradutor, oferece consultoria, é um palestrante reconhecido internacionalmente. 

Centenas de intérpretes judiciários, de medicina, de conferências, comunitários e tradutores de todo o mundo  já foram treinados por ele. Além disso, Javier dá palestras e treinamentos em eventos nos fora e dentro dos Estados Unidos. 


Todo bom intérprete tem seu próprio sistema de tomada de notas. Para quem já atingiu este patamar, esta é uma oportunidade para refletir sobre suas práticas e identificar pontos para melhoria. Para outros, esta é uma oportunidade de levar sua prática ao próximo patamar, desenvolvendo o seu próprio sistema. Venha descobrir não só como mas também porque tomamos notas. Vamos explorar vários elementos de um processo proficiente de tomada de notas: layout, marcadores, escrita rápida, símbolos e exercícios práticos. Vamos descobrir o que funciona para você.

Foto de Patrizia Cavallo

Tecnologias na Interpretação

Patrizia Cavallo é italiana e mora no Brasil desde 2011, onde é tradutora e intérprete de italiano, português e inglês. É Mestra em Interpretação (UNIBO-Itália) e Doutora em Letras (UFRGS-Brasil). Ministra cursos sobre língua italiana, tradução, terminologia e CAI tools e é co-administradora do Interpretech, fórum virtual no Facebook sobre tecnologias na interpretação. É credenciada pela Abrates (PT < > IT), filiada ao SINTRA e ao Catálogo de Tradutores.

Foto de marsel de Souza

Tecnologias na Interpretação

Marsel de Souza é intérprete de conferência e tradutor em Brasília. É bacharel em Tradução pela Universidade de Brasília e membro da AIIC, APIC, ABRATES e ATA. É um dos sócios-fundadores da Elos Intérpretes e Tradutores, que reúne um estúdio de interpretação remota e um escritório de tradução na capital federal. Marsel é co-administrador do Interpretech, fórum virtual no Facebook sobre tecnologias na interpretação.


Esta apresentação visa a relatar e refletir sobre os resultados da pesquisa longitudinal intitulada “Tecnologias na Interpretação”, conduzida entre 2020 e 2021 com aproximadamente 100 intérpretes que trabalham com o português brasileiro atuando tanto no Brasil quanto no exterior. O levantamento se propõe a mapear o uso de tecnologias por parte desse(a)s intérpretes e identificar suas impressões e expectativas diante dos principais acontecimentos tecnológicos da área da Interpretação, inclusive no contexto da pandemia de Covid-19. A pesquisa, estruturada em forma de questionário, aborda temas como CAI tools, Interpretação Remota e Interpretação Automática, e foi muito significativa para lançar luz sobre a percepção do(a)s profissionais da Interpretação quanto ao impacto das tecnologias em seu ofício e no mercado bem como a evolução do uso de tais tecnologias ao longo deste período.

Foto de Maha El-Metwally

More Strings to Your Bow

Maha El-Metwally é intérprete de conferência na cabine de língua Árabe. Trabalha com várias organizações internacionais, incluindo as Instituições Europeias e as Nações Unidas. Ela é membro da Associação Internacional de Intérpretes de Conferência (AIIC), do Chartered Institute of Linguists (CIoL) e da American Translators Association (ATA). Também é filiada ao Institute of Translation and Interpreting (ITI), no qual integrou a diretoria e o comitê de filiação.

Maha tem mestrado em treinamento de intérpretes pela Universidade de Geneva. Contribui para o currículo de várias universidades, tanto no Reino Unido quanto no exterior, às quais é associada. É apaixonada por tecnologia no campo da interpretação e oferece cursos sobre o assunto a nível internacional, pessoalmente e em formato remoto.


Uma lição que aprendemos com a crise financeira mundial foi que a diversificação é uma coisa muito boa para freelancers.E a COVID-19 só veio confirmar a lição. Nesta apresentação, vamos analisar as aptidões que intérpretes podem transferir a outras áreas, permitindo o uso diversificado dos serviços que oferecem. O objetivo é podermos resistir a tempestades futuras.

Foto de Darinka Mangino

Interpretação Consecutiva -prática

Darinka Mangino é intérprete de conferências e jurídica de espanhol, inglês e francês. Ela tem mestrado em Estudos Avançados para Formadores de Interpretação pela Universidade de Genebra, Suíça; um PGC em Linguística Forense pela Aston University, Reino Unido, e um diploma universitário em Interpretação de Conferências pelo Instituto Superior de Interpretes y Traductores, Cidade do México. Ela é membro da AIIC e da Associação de Tradutores Mexicanos (OMT). Ela é professora associada de interpretação da ENALLT-UNAM e fundadora da Lexica Aula Virtual  e do Proyecto Cenzontle. A mais de uma década, é professora de graduação e pós-graduação preparando profissionais para o futuro.


Nesta oficina de 90 minutos, os participantes vão rever os aspectos básicos de interpretação consecutiva e dicas para afinar suas aptidões para consolidar sua confiança profissional – tanto para um público presencial ou virtual. O objetivo dos exercícios é melhorar as várias aptidões necessárias para um desempenho preciso e harmonioso.

retrato de Cristiano Mazzei

Desmistificando o ensino online de interpretação: lições aprendidas

Cristiano Mazzei é formado em tradução e interpretação pela Ibero Americana e possui mestrado em estudos da tradução pela Universidade de Massachusetts Amherst. É tradutor, intérprete e professor há muitos anos, mais recentemente nas áreas de saúde e jurídica. Atualmente, Mazzei é professor e diretor de um programa online de tradução e interpretação na Universidade de Massachusetts Amherst. É intérprete de saúde certificado, intérprete forense certificado e tradutor juramentado pelo estado de São Paulo.


Uma discussão sobre metodologias e ferramentas utilizadas para ensino de interpretação no ambiente virtual (síncrono e assíncrono) em cursos universitários multilíngues. Alguns tópicos abordados incluem a estrutura pedagógica por trás dos cursos (prática refletiva e auto avaliação), engajamento de alunos no ambiente virtual/comunidade de aprendizado; tipo de avaliações mais adequadas em cursos online; como professores podem manter uma presença online forte; o lugar da teoria no desenvolvimento de pensamento crítico e para tomada de decisões; novas ferramentas para discussões online; o lugar da ética no ensino da interpretação; e preparando alunos para um futuro de interpretação remota e virtual cada vez mais real.

Domingo, 11 de julho

Técnicas vocais

Romina Pérez Escorihuela é bacharel em interpretação de conferências em inglês-espanhol pela Universidad del Salvador (USAL), Buenos Aires, especializada em interpretação inglês-português e espanhol-português pelo Estudio Lucille Barnes, Buenos Aires. Estudou Locução no ISEC em Buenos Aires entre 2016 e 2018 e possui experiência de trabalho em programas de rádio como colunista, voice-over em simultâneas gravadas e locuções institucionais e de eventos.


Técnicas vocais para intérpretes — Melhorar as técnicas vocais para interpretar. Técnicas de respiração e relaxamento vocal e físico. Palestra interativa com proposta de exercícios práticos.

Fofo de Ron Araya

Ayer, Hoy y Mañana en la Interpretación Simultánea

Ron Araya & Roxana Gutierrez são intérpretes profissionais no par  inglês-espanhol. Têm uma experiência combinada de quase 58 anos, abarcando uma variedade de especialidades que vão desde a engenharia até

Foto de Roxana Gutiérrez

Ayer, Hoy y Mañana en la Interpretación Simultánea

finanças e de ecoturismo a manufatura.  Desde suas próprias agências, na Costa Rica, oferecem serviços de ponta em todo o mundo.


Propomos uma troca de experiências sobre a migração da interpretação presencial ao ambiente virtual e nossa jornada à modalidade híbrida. Oferecemos recomendações para uma adaptação efetiva em um bate-papo sobre os diferentes cenários, modalidade, vantagens e desvantagens.

Foto de Jaqueline Nordin

Interpretação e tradução comunitárias no Brasil

Jaqueline Nordin é intérprete forense e líder do projeto Interpretação Forense no Brasil, um projeto pioneiro. Aperfeiçoou suas aptidões no Brasil (Justiça Federal de Guarulhos/SP) e nos EUA (San Francisco/CA), tendo também palestrado em vários congressos internacionais. Jaqueline lecionou na Faculdade Anhanguera, fez pós-graduação em Tradução e Interpretação na Gama Filho e mestrado em interpretaçào na Glendon  School of Translation (Canadá).

Foto de Mylene Queiroz

Tradução e interpretação comunitárias no Brasil

Mylene Queiroz iniciou sua carreira como intérprete de medicina nos EUA, onde intermediava atendimentos e outros serviços médicos.  Obteve seu Mestrado em Estudos da Tradução na Universidade Federal de Sta. Catarina, é cofundadora da Interpret2B, uma escola de interpretação online e responsável pelo currículo de Healthcare Interpreting do Glendon College (Canadá).

Foto de Gio Lester

Intérprete, tradutora, mentora, autora, palestrante.

Gio Lester, atual presidente da Abrates, foi vice-presidente da National Board of Certification for Medical Interpreters (EUA; entidade que certifica intérpretes de medicina), intérprete jurídica, de medicina e de conferências, traz para este bate-papo o ponto de vista administrativo e organizacional.


Os serviços de acessoria linguística de caratér comunitários já são uma realidade no Brasil. Há outros países e sociedades com serviços similares cujas metodologias e práticas poderíamos adaptar à nossa realidade, evitando os erros que foram identificados ao longo do tempo. Nossa realidade vai além de comunidades de refugiados. Além do português, ainda temos LIBRAs e mais de 270 línguas indígenas usadas para comunicação diariamente no país. A realidade destes não falantes do português necessita de uma voz unificada. Reconhecer esta necessidade é um primeiro passo. Porém não falamos de um plano futuro e sim de uma necessidade presente e premente que clama por atenção.

Foto de Paloma Bueno

Interpretação simultânea remota em Libras – aspectos técnicos e experiências

Paloma Bueno é uma das faces mais conhecidas de LIBRAS no Brasil por seu trabalho e dedicação. Uma profissional com vasta experiência em interpretação simultânea português-Libras, Paloma nos brinda seu talento em conferências cobrindo uma vasta gama de assuntos, e ela também faz interpretação simultânea remota. Seu trabalho pode ser visto em programas de entretenimento e jornalismo em TVs Legislativas, Guarulhos, Band, e Cultura. Paloma também traduz filmes comerciais de TV e internet, de cunho publicitário e propaganda eleitoral. Ela é filiada à ABRATES, APIC e SINTRA.


Vamos apresentar e discutir aspectos técnicos desde a contratação ao serviço de interpretação simultânea remota português<>Libras, incluindo uma breve comparação entre o híbrido X remoto. Vamos explorar algumas configurações de como funcionam os equipamentos de um home studio, configurações de espaço e sistema, testes técnicos e ensaio. Veremos também desafios e experiências práticas em eventos on-line, como o revezamento.

Foto de Rodrigo Becker no Janela Indiscreta

Diferenças entre a Supreme Court of the United States e o Supremo Tribunal Federal do Brasil

Rodrigo Becker é doutorando em Direito Processual Civil pela UERJ. Mestre em Direito de Estado e Constituição pela UnB. Pós Graduado em Direito Processual Civil pelo UniCeub. Professor da graduação e da pós-graduação do IDP. Advogado da União. Consultor Jurídico do Distrito Federal. Professor de Processo Civil em Brasilia-DF. Membro fundador e Presidente da ABPC (Associação Brasiliense de Direito Processual), e membro do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Processual). Coordenador do Grupo de Pesquisas sobre a Suprema Corte dos Estados Unidos no IDP.


Venha conhecer um pouco do histórico e das diferenças existentes entre as mais altas Cortes de Justiça dos Estados Unidos e do Brasil. A palestra cobrirá também as diferenças operacionais.

Foto de Katharine Allen

Making the Best of Hybrid-RSI Solutions

Katharine Allen, formada em mestrado em Translation and Interpretation Studies pelo Middlebury Institute of International Studies, é intérprete comunitária e de conferências com três décadas de experiência interpretando, treinando e desenvolvendo currículos.  Ela é licenciada como treinadora e é a co-autora dos programas internacionais de treinamento de intérpretes, The Indigenous Interpreter® e The Community Interpreter®. Como co fundadora e co presidente de Interpret America, ela ajudou a elevar o reconhecimento da profissão de intérprete, trabalho que continua como membro-fundadora da American Association of Interpreters and Translators in Education.


Antes da COVID-19, a interpretação simultânea remota penetrava de forma determinada e paulatinamente nossa profissão. Da noite para o dia, qualquer desejo de uma progressão semi-organizada para adoção de RSI em nossa profissão foi desbancada. Intérpretes comunitários se viram forçados a usar a função de interpretação da plataforma Zoom somada a um backchannel em outro equipamento e plataforma.  Vamos explorar estes sistemas híbridos, a criaçãoo de uma cabine virtual e os roteiros básicos para trabalhar com nossos clientes.

Painel da Diretoria

Um espaço para perguntas de associados, não associados e palestrantes sobre como a Abrates opera, seus planos futuros, sua participação no mercado global de tradução e interpretação e mais.

Keynote de Encerramento

Keynote de encerramento

Henry Líu ocupa uma posição privilegiada em nossa profissão: além de intérprete ativo, ele está no Comitê Consultivo de uma das mais importantes entidades de nossa profissão a FIT da qual já foi presidente.  Henry vai compartilhar conosco sua visão de futuro do ponto de vista do profissional num mundo sem fronteiras.

Sábado, 10 de julho

Normas ISO: a melhor ferramenta para educar seu cliente

Izabel Souza é doutorada em ciências humanas com a tese sobre a mediação intercultural de intérpretes médicos pela Universidade de Osaka, Japão.  É investigadora e tradutora-intérprete especializada, tendo começado sua carreira como tradutora em 1981. Foi professora na Boston University, Cambridge College e na Universidade de Osaka com a qual ainda colabora, além de pertencer ao Conselho Consultivo do programa de tradução e interpretação do Miami Dade College. Izabel é autora do livro Intercultural Mediation in Healthcare e co-autora do livro Handbook of Research on Medical Interpreting, de 2019. Trabalha como perita do comitê de tradução e interpretação da ISO, e foi líder do projeto da ISO 21998 Healthcare Interpreting Requirements and Recommendations, publicada em 2020.


A ISO é referência internacional para muitas indústrias e portanto quando se menciona a ISO, o cliente escuta. Muitos tradutores e intérpretes não estão cientes do conteúdo das normas desenvolvidas pela ISO para poder educar o cliente ao seu favor. Somos afortunados de agora termos várias normas para ajudar-nos a abordar os pontos necessários para a tradução ou interpretação profissional, incluindo as qualificaçōes mínimas do intérprete/tradutor, e as responsabilidades do cliente claramente descritas. Esta sessão será uma introdução às normas de tradução e interpretação onde discutiremos os aspectos mais importantes de cada norma e como utilizá-las para fortalecer nossa profissão.

Foto de Ana Saldanha

Mentoring: uma ferramenta para o sucesso

Ana Saldanha  tradutora profissional desde 2008, pós-graduada e mestre em tradução, é doutoranda em Tradução e Paratradução na Universidade de Vigo, Espanha. Professora na Pós-graduação em Tradução na Universidade Autónoma de Lisboa onde também organiza webinars para tradutores, mentora, investigadora, participante em conferências de tradução e educação a nível mundial. Membro da Women in Localization, da APTRAD e do ITI, e ainda membro do Grupo de Investigação EURASIA Research, desde 2018. Ana é Associate Board Member da International Mentoring Association nos EUA.


O Mentoring deverá ser visto como uma ferramenta eficaz a colocar tradutores no mercado profissional da tradução. Venha descobrir as respostas a várias de suas perguntas:  O que é Mentoring? Como encontrar um mentor adequado? Que tipo de situações evitar em um programa de Mentoring? Como evitar os mentores “não adequados”? O que é necessário para se ser Mentor? O que é necessário para se ser Mentorado?

William Cassemiro é ex-diretor e ex-presidente da Abrates. Entre seus feitos na Associação, considera o mais importante a criação do programa de Mentoria, que auxilia profissionais em início de carreira para que atuem com sucesso no mercado. Após deixar o cargo na Abrates, criou a Translators101, a Netflix de tradutores e intérpretes, que já oferece mais de 140 palestras gravadas e novos eventos ao vivo toda semana, a um custo baixo e com emissão de certificados. E partet do conteúdo é grátis.


“O mercado está saturado de tradutores, mas não de tradutores profissionais”, a frase é de Fabiana Zardo, em uma entrevista concedida ao TranslatorsPod101. Como você pode se diferenciar da concorrência e estar no segundo grupo? Nesta palestra, William Cassemiro dará várias dicas, técnicas e contará “causos” sobre como se diferenciar no mercado de tradução, como e onde obter informações, educação continuada, aprimorar seus conhecimentos culturais e seu profissionalismo não apenas com seus clientes, mas também com seus pares, a importância da ética no ambiente virtual e em interações pessoais, sempre com exemplos de como agir e, principalmente, sobre como não agir, para que sua reputação seja positiva e traga bons frutos para sua carreira

Localização de jogos de tabuleiro – o mercado, o trabalho e oportunidades

Luciana Galeani Boldorini é formada em Publicidade e Propaganda. Atua como tradutora e revisora de textos técnicos, publicitários, e na localização de jogos de tabuleiros desde 2010. Ela estudou o RPG como ferramenta didática na faculdade, tamanho é o gosto pelo assunto. Transformou seu hobby na sua profissão. Ivar Panazzolo Junior é formado em Publicidade e Propaganda e tem especialização em design gráfico, branding e identidade visual. Passou a se dedicar à tradução, atuando na área de literatura e de localização de jogos de tabuleiro, com mais de 55 traduções publicadas em 12 anos de carreira.


Venha descobrir as realidades do mercado em expansão, as oportunidades e perspectivas para os tradutores e as características do trabalho com a localização de jogos de tabuleiro.

Foto de Karina Pereira

As perdas da pandemia

Karina Schweter Pereira é psicóloga pela Universidade Federal Fluminense, especializada em Saúde Perinatal pela UFRJ e em Atenção Psicossocial na Infância e Adolescência pela IPUB/UFRJ. Karina é Mestre em Saúde Coletiva pela FIO/Cruz, com foco em Saúde da Criança e da Mulher. Ela pratica psicologia clínica em instituição de saúde e consultório particular.


Todos tivemos perdas nesta pandemia, em vários aspectos de nossas vidas. Os cuidados pessoais merecem nova análise e atenção renovada, assim como as novas formas de ser e viver nesse novo tempo, com todas as possibilidades que se abrem com as mudanças.

Foto de Gio Lester

Intérprete, tradutora, mentora, autora, palestrante.

Giovanna (Gio) Lester é tradutora e intérprete de conferências, palestrante, escritora com mais de 40 anos de experiência. Ela é membro de várias organizações internacionais e é a atual presidente da Abrates, ex-presidente do Comitê Consultivo de Tradução e Interpretação do Miami-Dade College (FL, EUA), co-fundadora e ex-presidente da ATIF, associação de tradutores e intérpretes do estado da Flórida (EUA). Oficinas, palestras, artigos e mentoria são instrumentos que Gio usa para compartilhar seus conhecimentos.


A nova realidade que se desponta à nossa frente requer reajustes. A importância da atitude, identificação nossos limites e saber expandi-los, identificar seu cliente ideal, marketing e concorrência são alguns dos pontos que vamos explorar.

Foto de Andressa Gatto

Tradução audiovisual e interpretação: semelhanças e diferenças

Andressa Gatto é tradutora, revisora e intérprete. Bacharel em Letras (Português – Inglês) pela UFRJ, pós-graduada em Tradução de Inglês pela Universidade Gama Filho, formada em Interpretação de Conferências pela Interpret2b e credenciada pela Abrates no par inglês-português. Traduz e revisa material audiovisual nas áreas de entretenimento e corporativo. Leciona o módulo Tradução Audiovisual do Curso de Formação de Tradutores da Interpret2b.

Tradução Audiovisual e Interpretação: suas semelhanças e diferenças

Bruno Murtinho é tradutor, legendador e intérprete de conferências. Cofundador da High5 Tradução e Interpretação, Bruno atua profissionalmente no Brasil e no exterior, tendo interpretado Tony Robbins, Tony Robbins, T. Harv Eker, Will.I.Am, Danny Glover, Doug Nelson, dois ganhadores do Prêmio Nobel e muitos outros.


Uma apresentação sobre as semelhanças e diferenças entre as técnicas utilizadas na Tradução Audiovisual e na Interpretação, do ponto de vista de dois profissionais que atuam em ambas as áreas, e como essa percepção beneficia o profissional na produção de um trabalho de qualidade.

Domingo, 11 de julho

Foto de Dominique Bohbot

The Shifting Landscape in Canadá and Beyond

Dominique Bohbot é tradutora, escritora, revisora e treinadora certificada. Já ocupou cargos de gerência, prestou serviços linguísticos na TMX Group – Bolsa de  Valores de e afiliadas onde coordenou a integração de serviços de tradução no pólo de terminologia financeira do Canadá. Em reconhecimento por seus serviços, a Association of Linguistic Services Managers reconheceu Dominque como Membro Honorária. Seu compromisso com as melhores práticas profissionais se refletem na mentoria que presta no programa de certificação em francês da Editors Canada e na Quebec Order of Certified Translators, Terminologists and Interpreters. Por seus conhecimentos, Dominique é palestrantes assídua  em vários eventos no Canadá, Estados Unidos, Brasil e Espanha.


O setor de tradução e interpretação passa por uma brusca expansão no âmbito virtual a níveis geográfico, linguístico e cultural. Projetos multilíngues multidisciplinários ainda exigem que sólidas aptidões como alicerce profissional. Mas, eles não são mais o bastante. Hoje operamos em processos tecnolinguísticos que exigem uma reavaliação de nossa parte. Tomando a realidade canadense como premissa, Dominique apresentará uma caixa de ferramentas retrabalhada para o novo profissional.

Foto de Ricardo Souza

Secretario Geral da Abrates

Ricardo Souza é tradutor, intérprete, gestor de projetos, editor, post-editor, revisor, consultor cultural, Secretário Geral da Abrates, de cuja Diretoria é membro desde 2016, Secretario do Comitê de Padronização de Normas de Tradução e Interpretação da ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas – Comitê ABNT/CEE-239.


MTPE é uma realidade que não podemos negar. Mas estamos preparados para  tirar o melhor proveito dela ou continuaremos a vê-la como uma inimiga da profissão?

Foto de Josh Goldsmith

Terminology Tools: Five hidden treasures for translators and interpreters

Josh Goldsmith é tradutor e intérprete certificado pelas Nações Unidas e União Europeia. Seus idiomas de trabalho são o espanhol, francês e catalão que ele traduz e interpreta ao inglês. Seu tempo é dividido entre interpretação, tradução e seu trabalho como instrutor e pesquisador com foco na interseção da interpretação, tecnologia e educação. como co fundador e Diretor Educacional da techforword, Josh compartilha dicas sobre tecnologia, tradução e interpretação em congressos e oficinas, artigos acadêmicos e no Twitter.


O seu geek de terminologia favorito quer te ajudar a chegar ao próximo patamar na pesquisa e gestão de terminologia. Nesta sessão interativa você conhecerá 5 ferramentas de gestão de terminologia que servem tanto a tradutores e a intérpretes, inclusive intérpretes de línguas de sinais. Veja como aproveitar melhor Babel.net e Wiki.links (semântica), Juremy (bases de terminologia e corpora paralela), SketchEngine (extração de termos) e como usar Airtable para criar um glossário visual.

Foto de Javier Castillo

Presidente da Castillo Language Services, Inc.

Javier Castillo é presidente da Castillo Language Services, Inc., na Carolina do Norte (EUA) e é intérprete, tradutor, oferece consultoria, é um palestrante reconhecido internacionalmente.

Centenas de intérpretes judiciários, de medicina, de conferências, comunitários e tradutores de todo o mundo  já foram treinados por ele. Além disso, Javier dá palestras e treinamentos em eventos fora e dentro dos Estados Unidos.


It’s coming down to the wire… Congress decided to punt once again on the issue… Hands down, this agreement is the best one I’ve seen.  You should sign… This operation will be a Hail Mary attempt to see if we can fix the problem once and for all.

As expressões esportivas são uma realidade do discurso americano. Seja no campo da medicina, jurídico, conferências, negócios, educação, todos nós já nos sentimos pouco preparados. Nesta sessão, vamos lidar com as expressões mais comuns e algumas um pouco esotéricas, que fazem parte do jargão americano.

¿Cómo navegar la resistencia ante el lenguaje incluyente?

Além de ter mais de 25 anos de experiência no campo da interpretação, Flor Monteiro também é psicoterapeuta feminista, com uma vasta experiência clínica.


Muitos de nós ainda resistem ao uso da linguagem inclusiva nos seus trabalhos, apesar do número crescente de clientes que solicitam a utilização da linguagem inclusiva ou neutra nas línguas de trabalho. Então, fazer o quê? 

Vamos discutir as opções, vantagens e desvantagens de cada, e como conseguir transformar essas fraquezas em fortalezas para atuarmos como profissionais que sabem se adaptar aos requisitos da língua meta.

Foto de Gisela Christiano

Hollywood e a lei

Gisela Christiano é tradutora especialista em textos jurídicos e professora de tradução jurídica inglês-português e de inglês jurídico. Formada pelo curso de Formação de Tradutores e Intérpretes da Associação Alumni e em Direito pela PUC/SP, sendo que advogou por mais de dez anos em alguns dos escritórios mais proeminentes de São Paulo. Cursou especialização em Direito Contratual na PUC/SP e Direito Imobiliário na Universidade Secovi, além de extensão em Investimentos Imobiliários pela FGV/SP

Foto de Fernanda Vitarelli

Hollywood e a lei

Fernanda Vitarelli é tradutora e intérprete pela Alumni. Também se formou em Direito pela PUC Minas e tem um LLM em Direito Corporativo pelo Ibmec MG. 

Já interpretou personalidades jurídicas como Ellen Gracie (ex-ministra do STF), Bruce Ackerman (professor de Constitucional na Universidade de Yale) e David Carroll (Documentário: Privacidade Hackeada). Além disso, há 11 anos dedica-se ao ensino de inglês, tendo uma Pós-graduação em Ensino de Língua Inglesa e Tradução também pela PUC Minas.


Traga a pipoca! O cinema nos oferece ótimo material de estudo ativo da tradução jurídica através da análise de cenas. Vamos analisar juntos escolhas feitas e alternativas explorando as possibilidades de uso e justificativas em diferentes mídias. Transcrição da cena ou cenas escolhidas serão disponibilizadas para os participantes.

Painel da Diretoria

Um espaço para perguntas de associados, não associados e palestrantes sobre como a Abrates opera, seus planos futuros, sua participação no mercado global de tradução e interpretação e mais.

Keynote de encerramento

Keynote de Encerramento

Henry Líu ocupa uma posição privilegiada em nossa profissão: além de intérprete ativo, ele está no Comitê Consultivo de uma das mais importantes entidades de nossa profissão a FIT da qual já foi presidente.  Henry vai compartilhar conosco sua visão de futuro do ponto de vista do profissional num mundo sem fronteiras.